A Matilde e o Tomás, mal leram o texto sobre as dez coisas que não se deve perguntar à mãe de uma criança deficiente, propuseram fazer um texto, com as 10 coisas que os irmãos de crianças deficientes não gostam de ouvir. Fizeram uma lista e ainda explicaram o porquê:

  • Que lhe chamem “coitadinha”;

A Maria não é nenhuma “coitadinha”. Ela é mesmo muito feliz.

  • Que olhem para ela com “ar” de gozo;

A Maria, pode até fazer as “coisas” mais devagar e à maneira dela. Pode ter algumas formas de estar diferentes, mas é muito simpática, carinhosa e bem educada.

  • Que tenham pena dela;

Tenham admiração por ela, não pena. Ela não precisa mesmo. É feliz, faz tudo o que nós fazemos e ainda mais – não tem trabalhos de casa, nem testes para fazer.

  • Que a ignorem ou ponham de lado;

Não gostamos que não lhe liguem nenhuma. A Maria é igual a nós, se nos fazem uma “festa” a nós (quando nos veem), façam também a ela. Ah! E já agora, o contrário também!

  • Que digam que é doente;

A Maria não tem nenhuma doença. Ela não toma nenhum remédio e tem menos constipações que nós.

  • Que perguntem se está numa escola “especial”;

Porque é que a Maria haveria de andar numa escola “especial” ( querem sempre perguntar, se está numa escola para meninos com deficiência)? A Maria tem de estar na mesma escola que nós! Todos os meninos, com deficiência ou não, têm de aprender juntos – se não, não vão saber estar connosco e nós com eles.

  • Que perguntem à mãe, se na gravidez já sabia que a Maria tinha esta deficiência;

Perguntam sempre baixinho para nós não ouvirmos. Não percebemos porque é que estão sempre a fazer esta pergunta à mãe.

  • Que a subestimem;

A Maria faz “coisas” novas todos os dias. Por isso, não digam que ela não é capaz, mesmo antes dela tentar fazer.

  • Que estacionem no lugar para deficientes, sem dístico para o fazer;

Se não têm nenhuma deficiência motora, não estacionem nestes lugares! Se tivessem que fazer o esforço que, às vezes, a mãe faz para tirar a Maria do carro, “batiam” em toda a gente que lá estacionasse!

  • Que utilizem a palavra “DEF”.

Ser deficiente, não é nenhum insulto. Por isso, não se ponham para aí a chamar DEF uns aos outros, porque isso é  IRRITANTE.

Não nos importamos com as perguntas dos nossos amigos e das outras crianças, sobre a Maria, sabemos que eles só querem perceber a diferença para continuarem a brincar. Não gostamos de conversas e perguntas daqueles adultos, que ainda não perceberam que somos todos diferentes. A diferença é apenas um pormenor. A Maria é assim, como nós!

Fonte: A mãe da Maria